TAXI DRIVER

 taxidriver2taxi_driver Um dos destaques da 35ª Mostra é rever os clássicos em película totalmente restaurados. Um deles foi Taxi Driver de Martin Scorsese. Filme é símbolo da Nova Hollywood, representa mais uma parceria bem realizada entre o diretor e  Robert De Niro.
Na trama, em Nova York, Travis Bickle é um homem de 26 anos (Robert De Niro), veterano da Guerra do Vietnã, que vive solitário na metrópole, além de vagar noite adentro devido à sua insônia implacável. Para compensar, ele começa a trabalhar como motorista de táxi.
Já na primeira cena, a névoa ganha textura (Relembre onde Scorsese foi se inspirar para o início de Ilha do Medo), as rondas de Travis são entremeadas pelas luzes de neon de uma cidade que também nunca dorme. Um lugar marcado pelas mazelas do mundo, um verdadeiro puteiro. O protagonista assiste a tudo de seu táxi amarelo, manifesta seu desejo de limpeza do ambiente pútrido que exala o fedor de esgoto da sociedade. Sua repulsa aumenta ao ter que limpar esperma ou sangue do banco de passageiros todos os dias após uma jornada de trabalho.

taxi_driverOscilando entre esses momentos de revolta, eis que surge uma mulher em sua volta: Betsy (Cybill Sheperd), que trabalha na campanha do senador Palantine. Com a presença dessa bela loira, Travis muda até o seu olhar sinistro para uma expressão doce em questão de segundos. Entretanto, o conto de fadas deixa de existir quando o personagem a leva para ver um pornô científico.

O protagonista de Robert De Niro não toma essa decisão por uma simples vulgaridade. Bickle é um homem nu e cru perante a sociedade. Ele não faz parte do jogo social, principalmente na questão da hipocrisia. Em que mundo ele vive? Talvez somente o dele. Sua indignação aumenta ao conhecer Iris Steensma (Jodie Foster), uma prostituta de 12 anos que tem sua inocência roubada por um cafetão.e59a05e4Os momentos de solidão são quebrados apenas por quatros armas, principalmente pela Magnum 44, que se tornam objetos de adorno. Durante a campanha eleitoral, o slogan de Palantine é “We Are The Pepople”, ou seja, “Nós Somos As Pessoas”. Travis até concorda que cada um tem o seu poder, então ele decide fazer a justiça com as próprias mãos, protagonizando um dos momentos de maior barbárie do cinema.

O final se revela instigante ao ponto de trazer uma reflexão: Será que Travis “limpando” a sociedade com seus meios, não estaria entrando para o mesmo núcleo que ele frequentemente crítica? Em decorrência de uma série fatos, ele é vangloriado pela mídia ao se tornar herói de uma nação devastada pela Guerra do Vietnã, que procura de um novo ícone, mesmo que ele seja um psicótico.Robert-DeniroComo a maioria dos filmes da época, o longa causou polêmica ao retratar uma atmosfera caótica com os ingredientes da Nova Hollywood. Apesar das barreiras, Scorsese conseguiu manter suas ideais até o fim para deixar a obra virar um romance melodramático com sempre. Aliado com o roteiro de Paul Schrader e a tensão da trilha de Bernard Herrmann, Taxi Driver realmente arrumou um jeito de trazer os seus demônios.

Anúncios

Uma resposta em “TAXI DRIVER

  1. Pingback: DISSECANDO | LA PODEROSA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s