O GEBO E A SOMBRA

gebo-et-l-ombre-gebo-e-i-ombre-gebo-and-the-shadow-26-09-2012-9-gG9iLAVqDfa6s6jUBT24yC3e5ER

Eles aguardam, algo que nem mesmo sabem o que é. O desenrolar da história acontece em um cômodo, personagens estáticos, porém com uma trama pulsante e cheia de significados. Um filme de espera, um embate entre honestidade e pobreza. Essa é a atmosfera da adaptação para as telonas da peça de Raul Brandão que leva o nome de O Gebo e a Sombra, do português Manoel de Oliveira.

No longa, apesar da idade e do cansaço, Gebo (Michael Lonsdale) persegue a sua atividade de contabilista para sustentar a família. Vive com a mulher, Doroteia (Claudia Cardinale), e a nora, Sofia (Leonor Silveira), mas é a ausência do filho, João (Ricardo Trêpa), que os preocupa. Jeanne Moreau faz um participação especial ao viver a vizinha Candidinha.

Algo incomoda o patriarca, ele esconde algo em relação ao seu filho para poupar a esposa.

04Na primeira cena do longa, o porto é o centro das atenções com a pose liberta de João. Um homem que não se conforma com o comodismo do pai, que trabalha sem parar para conseguir o sustento sem fazer qualquer objeção contra todas as dificuldades. O personagem de Trêpa se considera livre e questionador ao contrário do homem que o criou. Não pensa duas vezes na hora de fazer furtos e roubos pelas ruas ou até dentro de casa. Vive como um fantasma, surge, não aparece como uma pessoa normal.03

Gebo é um homem de princípios, sempre atua na regularidade da lei, de forma metódica assim como os cálculos de sua profissão. Porém, prefere investir na mentira a revelar a verdade para sua família. Quando o dilema parece que vai vir à tona, o protagonista não perde tempo e corre para resolver uma conta. A sala que desenvolve a maioria das ações serve para enclausurar e se proteger das ameaças de fora. Até a iluminação, meio na penumbra, serve como segurança.

A fotografia é excepcional, deu um visual de pintura para as cenas do filme lusitano. Na história, não existe o bem e o mal, o mote principal é a condição humana. Os lados que movem a narração giram ao redor de um único fator: dinheiro. Não é difícil ver a Europa sendo retratada na amostragem da sala de Gebo. As soluções desenfreadas para conter o sangramento das recessões econômicas, o dito e o não dito, a ocultação da realidade dos governos e mercados ganha pauta na casa simples desses personagens sob a batuta do Manoel de Oliveira.57976O diretor centenário cria uma trama praticamente teatral e questiona até onde vale a honra ou a necessidade em uma situação de pobreza. Na cena final, um feixe de luz ilumina Gebo, como se estivesse no palco, a espera de ouvir sua sentença final.

Anúncios

2 respostas em “O GEBO E A SOMBRA

  1. Pingback: LA PODEROSA

  2. Pingback: OLHAR DE M. DE OLIVEIRA | LA PODEROSA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s