37ª MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA

mostra37A abertura do evento será na quinta-feira, 17 de outubro, com a exibição do filme Inside
Llewyn Davis
, de Joel e Ethan Coen, Grande Prêmio do Júri em Cannes Para o encerramento, a Mostra traz o documentário Que Estranho Chamar-se Federico – Scola Conta Fellini, de Ettore Scola Nathan, o Sábio, clássico do cinema mudo alemão de 1922 dirigido por Manfred Noa, será exibido no Parque do Ibirapuera, acompanhado da Orquestra Petrobras Sinfônica Com retrospectivas de Stanley Kubrick, Eduardo Coutinho e Lav Diaz, a 37ª. Mostra firma seu compromisso de homenagear importantes cineastas, além de apresentar ao público o trabalho de diretores desconhecidos do circuito cinematográfico brasileiro.

De 18 a 31 de outubro, acontece em São Paulo a tradicional Mostra Internacional de Cinema. Durante duas semanas, serão exibidos cerca de 350 títulos de variados países e diversas cinematografias em mais de 20 espaços, entre cinemas, espaços culturais e museus espalhados pela capital paulista. A seleção deste ano faz um apanhado do que o cinema contemporâneo mundial está produzindo, além das principais tendências, temáticas, narrativas e estéticas produzidas em todo o mundo.

A 37ª Mostra Internacional de Cinema é composta por cinco seções: Competição Novos Diretores – que exibe títulos de diretores que tenham realizado até dois longas (os mais bem votados pelo público serão vistos pelo Júri Internacional, que escolhe posteriormente os que vão receber o Troféu Bandeira Paulista); Perspectiva Internacional – que apresenta um panorama do recente cinema mundial; Retrospectivas – seção com obras de diretores importantes ou mesmo desconhecidos; Apresentações Especiais – exibição de clássicos ou de filmes de diretores que estão sendo homenageados pela Mostra; Mostra Brasil – títulos brasileiros inéditos em São Paulo, integrantes das seções Competição Novos Diretores e Perspectiva Internacional.

STANLEY KUBRICK

A Mostra Internacional de Cinema destaca, nessa 37ª Edição do evento, o trabalho de um dos mais importantes cineastas de todos os tempos: Stanley Kubrick. A homenagem ao trabalho do diretor será feita com exposição, livro e retrospectiva de seus filmes, em versão digital restaurada*.

A exposição Stanley Kubrick, inédita na América Latina, será realizada em parceria com o MIS e ficará aberta ao público de 11 de outubro a 12 de janeiro de 2014. Acompanhando a abertura da exposição, tem início também no dia 11 um aperitivo da 37ª Mostra, que contará com a exibição dos filmes que compõem a retrospectiva de Stanley Kubrick.

Com curadoria original de Hans-Peter Reichmann, do Deutsches Filmmuseum de Frankfurt, e colaboração da artista Christiane Kubrick, viúva do diretor, a exposição terá uma ambientação exclusiva, com o objetivo de proporcionar aos visitantes uma experiência sensorial inovadora na obra de Kubrick. Através de uma singularidade das obras e influências do diretor na trajetória do cinema mundial, e a partir de materiais em áudio e vídeo utilizados em seus longas-metragens, o público poderá conferir figurinos, objetos de cena, documentos e fotos originais de seus filmes.

Complementando esta iniciativa, a editora COSAC NAIFY lançará também, em parceria com a Mostra Internacional de Cinema e o MIS, o livro “Conversas com Kubrick”. Na obra, o grande crítico francês Michel Ciment, que virá a São Paulo para o lançamento do livro, faz o compêndio crítico da obra do cineasta, unindo textos analíticos a entrevistas e depoimentos do próprio diretor e de seus colaboradores. Seu objetivo é o de mostrar a coerência estética e filosófica por trás de obras aparentemente tão díspares como 2001: Uma Odisseia no Espaço e O iluminado, Lolita e Laranja Mecânica, Barry Lyndon e Nascido para matar. O livro conta com prefácio do cineasta Martin Scorsese.

A homenagem caracteriza-se pela extensa carreira do cineasta, roteirista, produtor e fotógrafo, que inclui clássicos do cinema mundial como O Grande Golpe (1956), Glória Feita de Sangue (1957), Spartacus (1960), Dr. Fantástico (1963), Barry Lyndon (1975) e O Iluminado (1980) entre outros. A retrospectiva inclui ainda AI: Inteligência Artificial, projeto que Kubrick ofereceu ao amigo Steven Spielberg.

*Com exceção de A Morte Passou Por Perto, em 35mm.

EDUARDO COUTINHO

Em homenagem aos seus 80 anos, a 37ª Mostra Internacional de Cinema fará uma retrospectiva para o diretor, considerado um dos mais importantes documentaristas do país. Completa a homenagem o lançamento do livro “Eduardo Coutinho”, uma coletânea de textos de e sobre o documentarista, editado pela Cosac Naify em parceria com a Edições Sesc e a Mostra. O diretor fará também dois encontros com alunos de cinema, sendo um na FAAP e outro no CINUSP.

O primeiro bloco do livro reúne dois ensaios e 11 entrevistas, além de 39 textos de crítica escritos por Eduardo Coutinho para o Jornal do Brasil, entre 1973-74. No segundo bloco da obra, estão os depoimentos de colaboradores do documentarista e, no terceiro, um conjunto de resenhas de época e mais de uma dezena de textos inéditos sobre a filmografia do realizador, escritos por cineastas e críticos de várias gerações, como João Moreira Salles, Eduardo Escorel, Jean-Claude Bernardet, Ismail Xavier e outros.

Caracterizado pela sensibilidade e pela capacidade de ouvir o outro, Coutinho registrou as emoções e aspirações das pessoas comuns, sejam camponeses diante de processos históricos (Cabra Marcado para Morrer), moradores de um enorme condomínio de baixa classe média no Rio de Janeiro (Edifício Master) ou metalúrgicos que conviveram com o então sindicalista Luís Inácio Lula da Silva (Peões), filmes que farão parte da retrospectiva, que incluirá ainda o curta Porrada (2000), e dois trabalhos realizados pelo diretor para o programa Globo Repórter, onde foi editor de 1975 a 1984: Teodorico o Imperador do Sertão (1978) e Seis Dias em Ouricuri (1976).

LAV DIAZ

A terceira homenagem é ao cultuado cineasta filipino que, por muitas vezes, abordou as questões sobre o estado social e político atual do seu país de origem. Consagrado em grandes festivais, Diaz participou da seção Orizzonti, do Festival de Veneza de 2007, onde ganhou uma Menção Especial pelo filme Morte na Terra de Encantos (Death in the land of Encantos). Seu último filme, Norte, o fim da História (Norte, the end of History), foi exibido na seção Un Certain Regard, do Festival de Cannes em 2013. Diaz também foi presidente do júri do Festival de Locarno deste ano.

Conhecido entre os cinéfilos pela longa duração de seus filmes, Lav Diaz fará parte do Júri Internacional da 37ª Mostra, além de apresentar 12 títulos da sua filmografia, entre os quais, Norte, o fim da História; Melancholia; Morte na Terra dos Encantos; Nu sob o luar.

YASUJIRO OZU

Dedicado a expor suas preocupações sociais na década de 1930, Ozu terá três de suas obras exibidas nesta 37ª Mostra, ano de comemoração do seu 110º aniversário. Assim, os dramas familiares (gênero próprio do cinema japonês, chamado “Gendai-Geki”), Era uma vez em Tóquio (Tokyo Story), Flor do Equinócio (Equinox Flower), e A Rotina tem seu Encanto (An Autumn Afternoon) serão exibidos no evento, que apresentará também Uma Família em Tóquio (Tokyo Family), de Yoji Yamada, inspirado no filme do mestre japonês.

O cineasta inspirou outros diretores como Wim Wenders em “Tokyo-Ga”; Jim Jarmusch e Hal Hartley, que seguem de perto os seus ensinamentos nos Estados Unidos; e João Botelho, que realizou Um adeus português, influenciado por Tokyo Story.

CLÁSSICOS

Outros clássicos restaurados terão apresentação especial na 37ª. Mostra: Providence, de Alain Resnais (1977); O Deserto dos Tártaros (1976), de Valério Zurlini e O Sol por Testemunha (1959), de René Clement.

GUIMARÃES, CAPITAL EUROPEIA DA CULTURA

Em 2012, quando a União Europeia elegeu a cidade de Guimarães para ser a capital europeia da cultura, vários diretores realizaram trabalhos para homenagear a histórica cidade portuguesa. Assim, filmes dirigidos por Jean-Luc Godard, Peter Greenaway e Edgar Pêra (3x3D); Pedro Bastos (Ao Lobo da Madragoa); Manoel de Oliveira, Aki Kaurismaki, Pedro Costa e Victor Erice (Centro Histórico); Paulo Abreu (O Facínora); Rodrigo Areias (1960); Margarida Gil (O Fantasma do Novais) e Gabriel Abrantes (Zwago) terão apresentação especial na 37ª Mostra.

AMOS GITAI

Além de vir a São Paulo para apresentar seu mais recente filme, Ana Arabia, que recebeu o prêmio Robert Bresson no Festival de Veneza/2013, já entregue a Walter Salles, Wim Wenders e Ken Loach, o diretor e arquiteto israelense vai participar de um debate a ser realizado em parceria com a Bienal da Arquitetura, após a exibição dos 16 filmes que compõem a série Arquitetura em Israel – Conversa com Amos Gitai (2012). Na série, Gitai entrevista um conjunto expressivo de arquitetos, escritores, historiadores e políticos israelenses, e aborda temas variados, ligados sobretudo à construção residencial naquele país.

VÃO LIVRE DO MASP

Este ano, a Mostra, em parceria com a X Bienal de Arquitetura, vai adotar o tema “Cidade: modos de fazer, modos de usar”, no Vão Livre do Masp, com filmes de personagens e histórias que contemplam a cidade de São Paulo, propondo a reflexão contemporânea sobre o tema mobilidade, infraestrutura urbana e ocupação do espaço público das grandes cidades. Entre os títulos a serem exibidos estão o inédito São Silvestre, de Lina Chamie (2013); os clássicos São Paulo Sociedade Anônima, de Luís Sergio Person (1965) e São Paulo, Sinfonia da Metrópole, de Adalberto Kemeny e Rudolf Rex Lustig (1929); o inédito no circuito comercial, Cidade Cinza, de Marcelo Mesquita e Guilherme Valiengo (2013); Fogo e Paixão, de Marcio Kogan e Isay Weinfeld (1988); Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas (2008); Não Por Acaso, de Philippe Barcinski (2007); Ensaio Sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles (2008) e Alma Corsária, de Carlos Reichenbach (1993).

MARCAS DA MEMÓRIA

A Cinemateca Brasileira e a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo apresentam, mais uma vez, programação resultante da parceria que já dura mais de 15 anos. Este ano, a programação conjunta apresenta os títulos restaurados graças ao projeto Memória cinematográfica para um tempo sem memória, que recuperou, preservou e restaurou obras ameaçadas de cineastas que pensaram o Brasil dos anos 1960-1970 como Os Fuzis, de Ruy Guerra; Manhã Cinzenta, de Olney São Paulo; Os Anos Passaram, de Peter OVerbeck; Libertários, de Lauro Escorel; Imagens do Inconsciente, de Leon Hirszman e O Caso dos Irmãos Naves, de Luiz Sergio Person, além de dois títulos de Eduardo Coutinho, homenageado da 37ª. Mostra: Cabra Marcado Para Morrer e O Fio da Memória. A programação celebra também O Dia Mundial do Patrimônio Audiovisual (27 de outubro), que neste ano traz o tema Salvando Nosso Patrimônio Para as Próximas Gerações.

Em parceria com o governo da Coreia do Sul, para difusão da cinematografia daquele país, a 37ª Mostra apresenta uma seleção de filmes sul-coreanos e promove o encontro entre profissionais dos dois países. O FOCO COREIA prioriza os novos talentos do cinema coreano e exibe 10 títulos entre longas e curtas metragens, incluindo Confession of Murder, de Jung Byung-gil, Sleepless Night, de Jang Kun-jae, A Werewolf Boy, de Jo Sung-hee, Final Recipe, de Kim Gin-a, National Security, de Chung Ji-young e os curtas Finis Operis e Safe, de Moon Byoung-gon (Palma de Ouro em Cannes 2013), Sweet Temptation, de JEONG Han-jin, Breathe Me, de Han Eun-young e No More No Les, de Lim Oh-jeong.

Complementando a iniciativa, será realizado um fórum de debates e a assinatura de um termo de intenção, ou MOU (Memorandum of Understanding), de coprodução entre Brasil e Coreia do Sul, com representantes da KOFIC (agência que promove o cinema coreano) e da ANCINE.

Além dos representantes do KOFIC, estão na delegação coreana que virá a São Paulo: o produtor YEONU Choi (Final Recipe, A Werewolf Boy), os diretores JUNG Byung-gil, MOON Byeong-gon, e CHO Kyoung-Duk (vencedor do Prêmio do Júri Internacional da 33ª Mostra Internacional de Cinema com o longa Voluntária Sexual).

Park Chan-wook, diretor de Old Boy, vem a S.Paulo para apresentar sua trilogia da vingança e participar do encontro entre realizadores e representantes dos governos dos dois países.

Com a proposta de difundir o cinema chinês, assim como a própria China, fazem parte da programação da 37ª Mostra nove filmes da recente produção do país. A seleção inclui filmes populares de artes marciais como o inédito O Grande Mestre, dirigido pelo renomado diretor baseado em Hong Kong Wong Kar Wai; Preso na Rede, do veterano vencedor da Palma de Ouro Chen Kaige; Perdido na Tailândia, uma comédia que rendeu mais de U$ 2 bilhões nas bilheterias da China e tornou-se o maior sucesso doméstico da história país; O Médico do Teleférico, de Lei Xianhe, filme independente realizado com baixo orçamento; e o clássico O Rei dos Macacos, animação restaurada dirigida por Pou-Soi Cheang.

O ciclo de filmes comemora o Mês Cultural da China no Brasil, que acontece entre outubro e novembro de 2013, e é resultado de uma parceria entre a Agência Cinematográfica de Administração de Rádio, Cinema e Televisão do Estado da República Popular da China, a Embaixada da República Popular da China no Brasil e a 37ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Para mais informações: http://37.mostra.org/home/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s