LEMBRANÇAS DA MOSTRA II

the_desert_of_the_tartars-1Deserto dos Tártaros

Um filme sobre o nada,  um ócio,  um mundo de aparências que servem para justificar uma vigília de uma guerra inexistente. Talvez, o maior conflito entre os personagens é a luta  contra si mesmo. A intensidade dessa atmosfera é tamanha que todos embarcam nesse clima com o objetivo de marcar o sentido de existir. Valerio Zurlini monta uma espécie de Guerra Fria que mostra os envolvidos como múmia esperando pelo sepulcro.

1618868477Providence

O filme termina em si próprio, mas sua beleza está ao entrar na mente de um escritor em um processo de criação de um livro.  Uma história que tem tudo haver com sua vida. Alan Resnais nos tira da realidade e nos transporta para o lúdico mundo de Clive Langham (Sir John Gielgud). 

foto fijaWakolda
Um recorte da vida de Josef Mengele e direção de Lucia Puenzo.Sua vida pós-guerra na Patagônia, Argentina. Um homem que não parou de seguir os ideais nazistas na preferência de construir um ser humano perfeito. Um plano que é colocado em prática em uma pequena garota com dificuldades para crescer. O interessante do longa é que não demostra um lado didático,  tem mais cara de um thriller. O suspense é o principal ingrediente do suspense em volta do misterioso papel de Alex Brendemühl. Destaque para a fotografia azulada e escurecida da trama, cores que dialogam bem com o clima da trama.

cabra7Cabra Marcado Para Morrer

Uma história âmbitos sociais e econômicas,  um retrato do Brasil feudal. Eduardo Coutinho retrata a história de uma família e as consequências envolta de João Pedro Teixeira, líder camponês da Paraíba assassinado em 1962. A ditadura militar,  a identificação e dissolução familiar também se mostram presentes. Definitivamente, a obra prima do diretor. Ao colocar um filme dentro de outro filme,  a fronteira de realidade e ficção mais uma vez se rompe. Esse é o Coutinho.

A produção do filme foi interrompida em 1964, em razão do golpe militar. Dezessete anos depois, o cineasta recolheu os depoimentos dos camponeses que trabalharam nas primeiras filmagens. Parte da história das Ligas Camponesas de Galileia e de Sapé e a vida de João Pedro surgem através das palavras de sua viúva, Elizabeth Teixeira, que fala sobre sua trajetória nesses 20 anos e das dificuldades da família perseguida pela opressão.

santoforteSanto Forte

Um belo panorama sobre a religião no Brasil que reflete a multiplicidade que é formada nossa população. Um registro que mostra que é impossível desenhar um padrão pré-estabelecido sobre o assunto. Uma abordagem que revela uma pessoa católica que trafega pelo lado da umbanda, da Igreja Universal, sem nenhum problema. Uma gama rica de pessoas ou personagens, pois Eduardo Coutinho sempre rompe a fronteira da ficção e realidade, característica vital de sua obra. 

1Centro Histórico

O longa-metragem coletivo celebra a cidade de Guimarães, no norte de Portugal. São histórias divididas em quatro filmes episódios sobre a cidade que viu nascer o Reino de Portugal. O Tasqueiro (Aki Kaurismaki) mostra o dia de um dono de um pequeno restaurante que tem como prato principal o conhecido caldo verde. Porém, o personagem tem que lutar com a falta de fregueses, não consegue competir com os grandes restaurantes, o tradicional não tem mais chances, é esmagado pelo corporativismo. Dialoga também com a crise atual europeia. Uma mise en scène praticamente teatral e minimalista.

LamentodaVidaJovemBLG2O Lamento da Vida Jovem (Pedro Costa) é um filme claustrofóbico sobre o delírio de um ex-militar das guerras de libertação da África nos Anos 70. A trama se passa a maior parte em um elevador frio de um hospital, onde o protagonista mostra as feridas de um passado bem presente. É o longa que bate mais forte e tem uma dimensão maior que os outros em sua proposta cinematográfica.

centro-historico-filme-coletivo-1383083176641_956x500Em Vidros Partidos (Victor Erice), a foto de um imenso refeitório de uma fábrica de tecidos é um ponto de partida para se reunir olhares perdidos, rostos cansados, preocupação, melancolia, felicidade, todos em um descanso prestes a voltar a uma jornada insana de trabalho. O lugar foi uma das principais do ramo têxtil no século XIX na Europa, todavia faliu e só restou um prédio abandonado, além de depoimentos sobre as marcas de acidentes nas máquinas, da vida dura, do dinheiro e sonhos construídos. Além da mercadoria, a antiga fábrica produziu histórias. Poesia em cada sequência.

13298826O Conquistador Conquistado (Manoel de Oliveira) mostra um Portugal que já foi um dos reinos mais poderosos, toda via se tornou somente um local para turistas ver. O que outrora foi motivo de orgulho, agora só é página virada. O centenário diretor bate na trave, pois com seus últimos trabalhos atingiu resultados mais que especiais.

Anúncios

Uma resposta em “LEMBRANÇAS DA MOSTRA II

  1. Pingback: #MOSTRASP: MIGUEL GOMES E MANOEL DE OLIVEIRA | LA PODEROSA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s