MARLENE DIETRICH

47150_md-020_122_993loTanto na vida pessoal como no cinema, Marlene Dietrich foi uma figura transgressora. Nos anos 20 e 30, ela gostava de usar terno, atitude considerada revolucionária para a época. Em Paris, políticos tentaram impedir que ela aparecesse vestida de terno em público, mas não conseguiram. No filme Marrocos, ela canta numa boate; após a música, ela leva uma rosa para uma mulher no público e lhe dá um beijo na boca, uma cena que fez escândalo em Hollywood. Sua atitude liberal, a atuação firme contra o nazismo e o racismo e a sua emancipação feminina se refletem em sua filmografia e em sua atuação.

Marlene_Dietrich_in_No_Highway_(1951)_(Cropped)A mostra MARLENE DIETRICH, no Centro Cultural Banco do Brasil, reúne 25 filmes com Marlene Dietrich. Entre eles os sete filmes da parceria dela com Josef von Sternberg (de O Anjo Azul), apresentados em película. E ainda dois documentários sobre a diva: um realizado em 1984 por Maximilian Schell onde ela, já reclusa no seu apartamento em Paris, não permite ser filmada, e o outro realizado por seu neto David Riva já após a morte dela. As exibições serão realizadas no CCBB São Paulo: de 17 de setembro a 20 de outubro e CCBB Brasília: de 1º a 20 de outubro.

Marlene ganhou fama internacional com o clássico alemão O Anjo Azul de 1930. O filme marcou o início de uma série de trabalhos realizados com o cineasta Josef Von Sternberg e que se tornaram imortais pela qualidade cinematográfica e busca estética. Marlene representou mulheres de reputação duvidosa, as vamps daquela época. A dupla artística realizou ao todo sete filmes, todos grandes clássicos do cinema: Mulher Satânica, A Imperatriz Galante, A Vênus Loira, O Expresso de Shangai, Desonrada, e Marrocos pelo qual foi indicada ao Oscar.

marlene dietrich 1932 - shangai express - by don english

Depois do término da colaboração com Von Sternberg, Marlene continuou trabalhando com os grandes diretores daquela época e realizou filmes com Ernst Lubitsch, Orson Welles, Billy Wilder, Alfred Hitchcock, Fritz Lang, entre outros.

Nascida em Berlim em 1901, Marlene estudou Artes Cênicas e participou de vários filmes mudos até ser descoberta por Sternberg, que a levou para os EUA, onde ela trabalhou nas décadas seguintes para os grandes estúdios de Hollywood.

Marlene Dietrich, 1940'sNa década de 30, a estrela foi convidada por Josef Goebbels para protagonizar filmes pró-nazistas, mas recusou o convite e se tornou cidadã americana. Durante a Segunda Guerra Mundial, ela apoiou o Exército americano e cantou na Europa para as tropas aliadas, para divertir os soldados em guerra. Depois da guerra, ela começou a cantar em grandes shows em Las Vegas e iniciou uma segunda carreira como cantora. Marlene morreu em 1992 em Paris, onde passou os últimos anos da sua vida em reclusão total em seu apartamento.

A mostra MARLENE inclui ainda a publicação de um minicatálogo com texto original de Pedro Maciel Guimarães sobre a parceria Marlene-Sternberg.

Para mais informações acesse http://culturabancodobrasil.com.br/portal/marlene

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s