DILIGÊNCIA DE JOHN FORD PT 7

Annex - Wayne, John (Stagecoach)_04O ANO DE 1939: NO TEMPO DAS DILIGÊNCIAS

Dizer que No Tempo das Diligências (Stagecoach, 1939) é um apenas um western seria resumir muito a grosso modo uma das maiores obras-primas do mestre John Ford. O cineasta conseguiu colocar várias camadas e fazer um recorte social em uma jornada que envolve todos os personagens.

O filme mostra um grupo de nove pessoas que são obrigadas a embarcar em uma perigosa viagem em uma diligência no Arizona, um território indígena. Cada um tem o seu motivo pessoal para realizar essa travessia pelo Oeste. Além dos traços dramáticos e sociias, eles precisam enfrentar Geronimo e seus guerreiros apaches.

stagecoach_stagecoach

Poster-Stagecoach-1939_01O mosaico de histórias traz uma prostituta – Dallas (Claire Trevor) – que pode ser mais respeitável que um bando julgadores da moral e da ordem de uma pequena cidade; um jogador perdido – Hatfield (John Carradine) – que deseja ter a imagem da respeitada aristocracia ao proteger Lucy Mallory (Louise Platt); um médico bêbado – Doc Josiah Boone (Thomas Mitchell) – que consegue desempenhar sua função normalmente e não se separa do vendedor de bebidas Samuel Peacock (Donald Meek).

Um fora da lei Ringo Kid (John Wayne) que  precisa acertar suas contas com o Estado e com alguns pistoleiros; um banqueiro – Ellsworth Henry Gatewood (Berton Churchill) – que tem a credibilidade da alta sociedade, porém com uma postura duvidosa; Curley Wilcox (George Bancroft) é o símbolo da lei. Todos estão abordo da diligência conduzida pelo engraçado Buck (Andy Devine).

Os personagens são tratados com um alto grau de cuidado, todos têm a sua importância nessa espécie de amostra da sociedade americana. Os planos têm uma disposição geométrica, impossível esquecer a sequência em que a diligência perde a proteção de um grupo de soldados. A cena foca o isolamento, sem dizer nenhuma palavra. A cena de perseguição é de extrema ação com os índios no encalço do grupo.

Todavia, os melhores momentos ficam por conta das paradas, onde fica evidente as polaridades e divisões dos ocupantes da jornada. Principalmente em relação no embate: prostitutas/prisioneiro X federados moralistas/banqueiros. Os enquadramentos são precisos, a câmera filma o que melhor lhe convém e corta, a dinâmica enfatiza o que é importante.

ringowatchesdallas_stagecoach

Em uma das pausas da viagem, todos se reúnem a mesa para fazer uma refeição. Na sequência, Lucy Mallory (Mulher casada de um soldado, considerada uma pessoa “direita”) comanda o olhar da câmera, e quando sua visão não representa o direcionamento da imagem, o seu corpo domina o quadro. Diferentemente de Dallas (considerada a pessoa “errada”), que não tem legitimidade para direcionar o olhar ou ocupar os planos. Ela e Ringo estão sempre a margem no quadro. A personagem de Louise Platt veste um chapéu branco da pureza, já a de Claire Trevor usa um preto, uma cor mais profana. Mesmo vendo Dallas pelo olhar de Lucy, não somos influenciados por esta visão, compartilhamos uma solidariedade para a mulher que sofre preconceito e intransigência. O teto do local traz uma sensação de clausura e coloca todos os sentimentos e pensamentos à tona.

John_Wayne - stagecoach - & Claire TrevorSomente esta cena já vale todo o filme, é impressionante como Ford conseguiu colocar essas ideias no cinema no ano de 1939. Uma época em que a sociedade era ainda mais conservadora. O interessante é que com o andar do longa, as pessoas com a alta patente de moralismo precisam ter sua índole refeita, já os marginais conseguem provar seu valor. A sentença é uma inversão de valores. Como em um western, também não poderia faltar um duelo. Com uma elipse, pensamos que o destino de Ringo é o pior. Porém, mais uma vez, Ford nos surpreende.

They’re safe from the blessings of civilization” (Eles estão seguros das bênçãos da civilização) é o epitáfio do filme ao mostrar o casal Ringo e Dallas, duas pessoas que não conseguem se encaixar nas convenções sociais. Com uma cara de conquista do Oeste, o filme já ganha um ar mais revisionista, característica que seria mais forte nos westerns futuros do cineasta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s